sábado, 11 de julho de 2015

PREVIEW - HANNOVER BR32







Buenas!

Nossa proxima postagem, para a proxima semana, abordará o segmento de transceptores de 40 canais - sim, por que os 40 canais do Radio do Cidadão, não estão mortos no Brasil, oras! - e vamos dar oportunidade para um inóspito transceptor, que apenar de sua robustez e simplicidade, não está homologado no Brasil, porém, vende igual pão quente. 

Entendam o que aconteceu e acompanhem, a partir da semana que vem.


73 a Todos!

sábado, 13 de junho de 2015

IMPRESSÕES - AQUARIO RP-80











Buenas!


Há algum tempo atrás, a Indústria Brasileira teve em seu segmento a produção de equipamentos voltados para a Radiocomunicação. Mas, devido a falta de incentivo do Governo, muitas encerraram as atividades devido a concorrência de equipamentos produzidos lá fora. Empresas como a Delta, Eudgert, Brazan, dentre outras, sucumbiram ou mudaram de atividade diante do avanço e acessibilidade de equipamentos de produção de larga escala, como a Kenwood, Yaesu e Icom. 

Isso se estendeu também para o segmento de Radio do Cidadão, que tinham como representantes, a CCE, a Motoradio e a Bosch - que representava a Blaupunkt por aqui. Em meados da segunda metade da década de 80, simplesmente essas empresas encerraram as atividades no segmento de Radio do Cidadão, devido a pouca procura, diante do avanço da entrada de equipamentos produzidos pela Cobra, RCI e Radio Shack, dentre outras.

E assim, ficamos durante quase três décadas com a referência internacional, sem nenhum equipamento que nos representasse por aqui. Até que em meados de 2010, a Aquário, surgiu para atender o segmento, outrora esquecido, e atualmente em crescente expansão.



AQUÁRIO - UM POUCO DA SUA ESTÓRIA




A Kidasen Indústria e Comércio Ltd. teve inicio em 1978, e tudo começou na garagem de casa, quando o Sr. José Sendeski Neto, fabricou uma antena para colocar em funcionamento sua estação de Radio do Cidadão. O resultado foi tão satisfatório, que logo surgiram pedidos dos amigos para a tal antena, que possuía desempenho fora do normal. E o que era apenas um hobby nos momentos vagos, se tornou um negócio próspero. 

Sr. José Sendeski Neto, fundador da Aquário


A Aquário, a partir de então, tornou-se referência no mercado nacional na produção de antenas para radiocomunicação. E com o passar dos anos, expandiu no segmento de antenas para TV, Telefonia Celular e Internet sem Fio. Com o advento da inclusão da TV Digital, possui em seu segmento não somente antenas DTV, mas também Conversores Digitais, com alto padrão de qualidade.

No segmento de Internet sem Fio, tornou-se referência nacional ao disponibilizar em seu portfólio equipamentos voltados para a distribuição e Provimento de conexão Wi-Fi em prumada e Access Point de Grande distância. Em contante evolução, a Aquário tem em seu público, o compromisso de oferecer produtos com Qualidade e Eficiência.



Entretanto, é no Serviço de Radiocomunicação, na Faixa do Cidadão, que a Aquário trouxe novamente, a disponibilidade de equipamentos que levam a sua marca. Transceptores como o o RP-40 e o RP-80, respectivamente, que a empresa coloca novamente o mercado nacional no segmento.

Nesta postagem, iremos abordar o Transceptor RP-80, com 80 canais e opção de SSB, além de outros recursos, até então disponíveis apenas em equipamentos produzidos lá fora, e oferecidos para os Brasileiros, por um preço acessível, sem abrir mão da qualidade




SOBRE O RÁDIO







O transceptor RP-80, possui as mesmas dimensões de tamanho, comprimento e largura se comparados aos demais transceptores disponíveis no mercado,  com um desenho que remete aos modelos clássicos de transceptores dotados de SSB mais conhecidos. É visualmente semelhante ao AT-5555, o que confunde o usuário final, a ponto dos usuários, acreditarem ser o mesmo equipamento. A explicação é a seguinte... O AT-5555 e seus similares (Hannover, Maas, KP-O) são fabricados pela Qixiang  Eletronics, Science & Tecnology Co., enquanto o Aquário RP-80 e seus similares ( Voyager BR9000, Quad5, M8800) são produzidos pela Xiamen-Maxlog Eletronics Ltd. ambas empresas são da China, o layout é parecido, e compartilham o mesmo processador, porém, com recursos diferentes. Outro fato que muitos acreditam é que o Aquário é uma versão "barateada" do AT-5555, o que não é verdade. Se fôssemos pensar desta forma, então o Superstar SS-9000 seria o "primo pobre" do Superstar SS 158 EGTL DX, por possuir componentes e tecnologia agregada inferiores, sob um mesmo layout. Em suma, Aquário e Hannover, são equipamentos diferentes, cada um com seus recursos, excedentes e carências distintas.

Visualmente, o RP-80 mantêm as características dos modelos anteriores. A diferença é notada no desempenho.


  Com relação à serigrafia do RP-80, ela é nítida, aliada ao painel de instrumentos retro-iluminado em tom azulado - que muitos adotaram o termo de "Dama da Noite" - e que facilita muito na identificação da função dos botões à noite. De igual sorte, a iluminação do Display de LCD, onde se concentram a maioria das informações, possui iluminação na cor Âmbar, e não possui borrões, não causam ofuscamento ou perda de visualização, em quaisquer posições em que o equipamento seja instalado, seja em veículos, seja em estações fixas terrestres.


Tela LCD mais escura, brilho mais intenso: Melhor visibilidade.




IMPRESSÕES DE USABILIDADE - A disponibilização dos comandos principais, é de fácil acesso, e seus botões rotativos e giratórios possuem boa pegada - mesmo não possuindo revestimento emborrachado - não apresentando folgas, tampouco a sensação que sairão nas mãos. São precisos e confiáveis. O seletor de canais, possui intercalação curta e suave, e sugerem uma operação de seleção sem exigir muito esforço.


Botões e teclas: Melhor acabamento




ACABAMENTO - Os encaixes entre as tampas e a orientação destas ao painel frontal, possuem bom acabamento, e a tampas, em especial, possuem textura mais sólida, áspera. Não possuem rebarbas, ou desalinhamento em relação ao conjunto geral.

Alumínio do Chassi e Dissipador é mais eficiente.




No ato da montagem do suporte, não tivemos problemas com a fixação do suporte de apoio e inclinação, e no kit que vem no equipamento, possui uma solução inteligente: dois pequenos calços aderentes de EVA, que devem ser fixados ao suporte - e não ao rádio - para garantir a perfeita fixação, sem marcar as tampas inferiores e superiores, constatação muito comum em equipamentos que sofreram instalação inadequada.

BOTÕES DE TOQUE - Em alguns modelos, nota-se uma "folga" de espaçamento nas teclas de funções extras, quase parecendo com brinquedos importados, o que demonstram total descompromisso com a questão acabamento e conformidade de encaixe. Se instalado em vaiculos, eles simplesmente chacoalham, devido a trepidação, o que ocasiona, em alguns casos, acionamento indevido desta funções. No RP-80, encontrei harmonia nesta questão, não há espaçamentos que ocasionem esses movimentos involuntários, tampouco a necessidade de confirmação de se pressionar teclas seguidamente, até que a função desejada seja selecionada.




POSIÇÃO DE CONEXÃO DO PTT - Como é um equipamento voltado principalmente para o uso em veículos, a posição do conector do Microfone se encontra orientado ao lado esquerdo do rádio, para facilitar o acesso caso seja instalado em consoles localizados no teto do veículo - neste caso, os caminhões, precisamente. Já em veículos de pequeno porte, como carros de passeio, essa orientação fica comprometida, principalmente em carros onde o painel possui disponibilidade  bastante reduzida. 


Em sua última atualização, o Microfone Dinâmico foi substituído pela versão de Eletreto - mais eficiente em contatos distantes.

MICROFONE - Uma atenção na avaliação deste exemplar... O desenho se mantêm fiel as versões anteriores, que é de pequenas dimensões, empunhadura que se encaixa à palma da mão, com acionamento do lado esquerdo, e a disponibilização das teclas UP/DOWN e ASQ ( Auto Squelch - disponível nos modos AM e FM). De boa construção e material, é resistente a impactos. Como atualização,  o acessório vem disponibilizado com cápsula de Eletreto (nas versões anteriores, possuía Capsula dinâmica), e a explicação para essa mudança foi racional: microfones de Eletreto tendem a priorizar uma tonalidade de áudio aguda, e essa tonalidade é fundamental para proporcionar clareza nos contatos distantes (DX), enquanto os Microfones dinâmicos, acentuam para os tons mais graves, abafados, mais voltado para contatos próximos. Em testes realizados, não houve comprometimento com a presença de sons parasitas no ambiente, que também não foram notados durante as transmissões. 


MANUAL DO USUÁRIO - Em comparação a outros manuais, o manual do Aquário RP-80 está bem claro, com linguagem acessível ao usuário, com ilustrações de orientação, não somente referente ao equipamento, mas também na correta instalação da antena. Entretanto, senti falta de um Feedback sobre a informação de sintomas e soluções de correção, coisas do tipo: O rádio não liga; verifique as conexões, o porta fusíveis, se o cabo de força está corretamente encaixado. É fundamental, principalmente para os usuários que encaram o procedimento do "faça você mesmo".



INOVAÇÕES INTERNAS



Em sua terceira atualização, o Aquário RP-80 está bem mais preciso e comprometido para o papel que foi designado; promover contatos, se "fazer ouvir" e recepcionar contatos, com clareza e fidelidade. Inúmeras foram as queixas de usuários de versões anteriores, com relação a instabilidade de frequência, baixa qualidade de áudio, aquecimento excessivo além do normal, e imprecisão da leitura de sinais recebidos.



A Primeira versão do RP-80, foi muito criticada no meio , devido a certa imprecisão da frequência e ausência de uma boa Filtragem de Recepção....




...tanto que a PCB 9000 - Versão 6, não ficou muito tempo no mercado...




....e foi substituida pela PCB M8000 - mais estável, com relação a recepção. Mas a Aquário, por sua vez, achou que não era o suficiente para os usuários, e foi mais além...




 PCB M8000 ficou até o primeiro  semestre de 2012, e tão logo, foi substituida por uma PCB mais "afinada". 


A Empresa acolheu essas queixas, e a resposta foi o emprego da PCB M8800, do mesmo fornecedor, com o circuito de TCXO. O intuito deste circuito é manter a frequência de Transmissão estável, em qualquer condição de temperatura que o transceptor se encontre. Em resumo: não existe mais a necessidade de ficar aguardando o rádio "esquentar", para poder usá-lo. Esse procedimento é uma tortura para muitos transceptores dedicados ao uso da Faixa do Cidadão, e esse problema existe até mesmo em equipamentos produzidos atualmente.

Em sua atual configuração, O RP-80 vem equipado com a PCB M8800, da Maxlog que além de todas as correções exigidas...



...adotou o circuito TCXO, que mantêm a frequência de transmissão/recepção estabilizadas, independente da temperatura de operação.





TESTES DE DESEMPENHO

Efetuamos os devidos testes neste equipamento, o qual submetemos a variações de temperatura, em ambiente fechado e a uma temperatura de 15ºC, com o equipamento desligado. Posteriormente, submetemos o mesmo transceptor em temperatura ambiente, de 26ºC, a seguidos contatos intercalados, entre transmissões em Modos Digitais e Fonia (gostaria de mencionar que, além de escrever muito, também gosto de falar na mesma intensidade). O resultado foi muito bom, é claro que um câmbio de 6 minutos, não é recomendado a ninguém, mas como se tratava de um teste de fogo... O rádio aguentou e respondeu muito bem, superou minhas expectativas. O TCXO cumpriu fielmente a sua função. Depois de 30 minutos de descanso, uma nova bateria. O resultado foi o mesmo, Sem nenhuma variação.

Outro fator positivo, foi com relação ao aquecimento demasiado nas versões anteriores. em uso normal, a temperatura não passou dos 22, 23 Graus, respectivamente. É claro que, durante o "teste de Fogo", cheguei a temer que o transceptor não iria aguentar o tranco, mas decerto, me enganei. Com um intervalo de pouco menos de 15 minutos, o radio voltou a sua temperatura de trabalho. Isso se deve a área de dissipação de calor do chassi, que agora é composto de alumínio de boa qualidade, ao contrário das versões anteriores - que possuíam uma liga de latão nas laterais, que, consequentemente, não efetuavam um efeito exotérmico eficiente.






POTÊNCIA/MODULAÇÃO


Apesar de possuir características voltadas ao uso do Radio do Cidadão, o RP-80 atual é o que poderíamos denominar, de um "lobo em pele de cordeiro". O rádio foi "amansado" para atender a nossa Legislação, no requisito potência. Com seus 10W RMS em AM e FM, e 25W PEP de SSB, ele pode saltar para 20W RMS em AM, 40W em FM e soberbos 50-60W PEP em SSB, com folga e sem prejudicar seu desempenho -  e sem e necessidade de "upgrades" ou "palitações", em seu estado natural.

Obtivemos em nossos testes, níveis de modulação em 87%, onde o usuário final fecha contatos distantes, sem muito esforço. Contatos fechados na Europa, com antena vertical, sem nenhum suporte auxiliar de RF,  no período da tarde, tivemos reportagem sinal de 7-9dB, em modalidade SSB/Fonia, com RST de 585 em alguns contatos. O feito se repetiu na Américas do Norte e Central, dado alguns contatos em que a intensidade de sinal foi deficiente, devido a propagação, mas a qualidade de áudio se manteve fiel.

Nos contatos Nacionais, dentro da Zona de Contato, muitos colegas custaram a acreditar que se tratava de um RP-80... Bem, quem tinha WhatsApp, fiz questão de enviar um breve vídeo demonstrando o evento, e ficaram surpresos, e tão logo vieram os questionamentos... " Esse RP-80 é 'palitado'? "Me passa o nome do técnico que fez esse trabalho" (risos).






RECEPÇÃO

Saber ouvir é a melhor forma de se identificar a qualidade de um equipamento, e não foi diferente o teste com o RP-80 desta postagem. Aliás, é uma característica em todas as outras versões do modelo. Sua capacidade em ouvir sinais débeis é muito boa, chegando a bater de frente até mesmo com transceptores voltados ao Serviço de Radioamador. aliás, inumeros Radioamadores que tiveram a oportunidade de operar esse rádio, teceram boas avaliações com relação a sua recepção, seja com o seu alto-falante interno, seja com o uso de fones de ouvido. Porém, ele possui a tendência de "rachar o áudio" em recepções de estações muito próximas, devido a sensibilidade do AGC. Mas isso é prontamente resolvido com o ajuste de Ganho do RF - afinal, a função está no equipamento para ser usada, justamente com esse propósito.


PRÓS

Em comparação a versões anteriores, o RP-80 atual possui controle de potência funcional tanto em AM/FM, quanto em SSB, onde proporciona ao usuário , um regulagem mais precisa, em contatos longos/distantes, com a dosagem de potência necessária. Outra vantagem, é que o Modo FM não está travado - opção que, no Hannover BR-9000, em sua ultima versão, se encontra bloqueada. NOTA DO BLOG: adoraria saber o porquê dessa decisão da Millenium optar por esse bloqueio do Modo FM em seu equipamento, já que o modo é permitido para uso, segundo a nossa - confusa - Legislação. 



CONTRAS

O que faltou no RP-80 foi, sem dúvida, a presença de controle de ganho do Microfone - fundamental para uma dosagem de áudio para algumas ocasiões. O recurso poderia ser incluído no lugar das funções de Eco, que são usadas com menos frequência. Mas o emprego de um microfone Preamplificado com ajuste de ganho contorna essa carência.



CONCLUSÃO

A Aquário acertou em cheio nesta atualização de hardware, com o advento do recurso de TCXO, inexistente em outros equipamentos comercializados por aqui, exceto nos transceptores de uso no Serviço de Radioamador.Ouviu a opinião de seus clientes, e prontamente aplicou no equipamento, em seu último releasing. Essa é uma visão de empresa que se atenta as tendências de preferências de seus clientes, e procura o sucesso e êxito nos resultados. O suporte ao cliente é eficiente e eficaz. Esses pontos são fundamentais para a decisão na opção de compra de um equipamento. E no caso, a opção de aquisição do atual RP-80 é recomendável, para os mais exigentes, e para os novatos no segmento.

Realmente, a Aquário está mostrando com qual finalidade veio, e aguardamos as próximas novidades que virão em breve. E vamos aguardar ansiosos.





ESPECIFICAÇÕES GERAIS


Cobertura de frequência:                             De 26,965 a 27,855Mhz - Expansível para 25.615 - 30.105                                                                      MHz selecionável ​​a partir do painel frontal ou                                                                                          Programação via PC


Modos de Operação:                                   AM, FM, USB, LSB, CW

Impedância da Antena :                               50 Ohm, não balanceada
Controle de Freqüência:                               Sintetizador Digital Phase-Lock Loop (PLL)
Freqüência Precisão:                                    Melhor que 10 ppm 0-40 ° C após 15 min. aquecimento
Alimentação:                                                12 -13,8 V DC, terra negativo
Consumo de corrente:                                   9A Máx.
Dimensões:                                                   6 x 2 x 9,5 em (W x H x D)
Peso:                                                             2,9Kg

ESPECIFICAÇÕES DO TRANSMISSOR

Potência de saída:                                          AM - 10W RMS / 25W PEP                                                                                                                       FM -25W
                                                                        SSB - 25-40W PEP

Passos de sintonia:                                         5Hz / 100Hz / 1 KHz / 10 KHz
Transistores finais:                                          IRF520 MOSFET (x2)
Emissões espúrias:                                         Mais de 50 dB abaixo do pico de potência de saída
Supressão de Portadora:                                 Mais de 40 dB abaixo do pico de potência de saída
Sideband indesejada:                                     Mais de 50 dB abaixo de saída de pico (1 tom kHz)
FM Desvio:                                                    +/- máximo 5 kHz
Resposta de Áudio:                                        Mais de 30 dB abaixo do pico de produção
Resposta de Freqüência:                                400-2800 Hz
Impedância do microfone:,                            600-1 K ohms

ESPECIFICAÇÕES DO RECEPTOR

Tipo de circuito:                                             Dual-Conversão Super-heteródino

Freqüências intermediárias:                            1ª IF / SSB / CW SE ... 10,695 MHz 2 SE ... 455 kHz

Sensibilidade:                                                SSB ... 0,25 V a 10 dB S + N / N CW ... 0,25 V a 10 dB                                                                           S + N / N
                                                                       AM ... 1.0 V at10dBS + N / N
                                                                        FM ... 0.3 V at12dBSINAD

Seletividade:                                                 SSB ... 4.2 kHz (-6 dB) / 8,5 kHz (-60 dB)
                                                                      CW ... 4.2 kHz (-6 dB) / 8,5 kHz (-60 dB)
                                                                      AM / FM ... 6.0 kHz (-6 dB) / 18 kHz (-60 dB)

Faixa do clarificador:                                 Cobertura total do rádio em passos de 1 Hz / 10 Hz / 1kHz                                                                     / 10kHz

Rejeição adjacente Canal:                           Melhor do que 70 dB
Se a rejeição:                                               Melhor do que 85 dB para todas as freqüências
Resposta de Freqüência:                             250-3000 Hz
Áudio Potência de saída:                            2 watts mínimo em 10% THD com uma carga de 8 ohm
Impedância de saída de áudio:                    8 ohms



Fabricante:                                                 XIAMEN-MAXLOG ELETRONICS CO., sob supervisão                                                                      da KIDASEN IND. E COM DE ANTENAS LTD.
                                                                   



73 a todos, e até a próxima!






domingo, 31 de maio de 2015

UPDATING NEWS - COBRA 19DX BR







Buenas!

A título de informação do aficionados, e para aqueles que estão iniciando no Serviço de Radio do Cidadão, está disponível no Brasil para o segmento o transceptor Cobra 19DX BR. 

A princípio, o transceptor de AM mais conhecido da marca é muito semelhante ao Cobra 19 DX IV, em seu layout; as diferenças, entretanto, são notadas na presença de ajuste de ganho de recepção - localizado no botão duplo, que compartilha a opção de Silenciador (Squelch).

Outro detalhe importante, é que esta versão - que adota a inscrição "BR" ao modelo - é que ele possui o range de frequência de 26.965 a 27.855 MHz, disponibilizado em 80 canais. Isso dá a ele, características ideias de uso dentro do espectro de frequência estipulado pela ANATEL.

Não confundir com o modelo 19DX de 80 canais, nem com o Voyager VR-119 que possui a opção FM, que é comercializado em sites de vendas eletrônicas Esses transceptores não são Homologados.


Seu número de Homologação é o 1580147412, e pode ser consultado no site da ANATEL

73 a todos!

PREVIEW - AQUARIO RP80




Buenas!



Vamos iniciar o mês de Junho com avaliações de equipamentos disponíveis para o mercado nacional. E o primeiro deles será o Aquário RP-80. Com a novidade de atualização da PBC, vai entusiasmar até os mais exigentes. 

73 a todos.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

MOMENTO DE REFLEXÃO - ATÉ ONDE ADQUIRIR EQUIPAMENTOS IMPORTADOS É UM BOM NEGÓCIO








Buenas!




Mais alguns dias, e encerramos o primeiro semestre de 2015. Para os aficionados do hobby - em especial aqui no Brasil - é um momento propício para renovar a configuração da estação, suprir a necessidade de equipamentos mais atualizados, ou o sonho em ter em sua mesa aquele transceptor que há muito tempo foi desejado, ou simplesmente, renovar os instrumentos de aferição, cabeamento, antenas mais eficientes, novas modalidades e se preparar para as próximas aberturas de propagação de longo período. E este hobby, como em muitos outros, não é barato, o que demanda investimento para a aquisição de novos equipamentos. 

O grande problema, ainda, continua sendo o valor estimado em equipamentos disponiveis ao mercado. É claro que a China entrou de cabeça nesse segmento, e tem proporcionado lançamentos e releituras mais inovadas, e em muitos casos, a preços acessíveis - mas ainda assim. não tão acessiveis a todos. É onde surge o mercado de usados ou seminovos, com pouco mais de cinco anos de uso, e até mesmo os "velhinhos", que, mesmo com o passar dos anos , ainda continuam funcionais - claro, dependendo do ritmo de trabalho em que foram submetidos por seus antigos "donos".


Nesse segmento, contudo, continua sendo aplicado uma regra bastante discutível: o fato de que esquipamentos com mais de dez, vinte anos de fabricação, não terem defasagem de valor. As argumentações são muitas: desde o estado geral de conservação, até o fato de se possuírem poucos exemplares disponíveis no comércio de usados - os que tornam, de certa forma, "objetos de desejo". Mas quanto a isso, existem explicações. Modelos descontinuados, tendem a possuir características de recepção e transmissão incomparáveis a modelos mais atualizados, fidelidade de uso, Entretanto, por se tratar de transceptores e acessórios descontinuados, a possibilidade de manutenção e disponibilidade de peças de reposição tornam eles equipamentos de uso específico e ocasional. Nesse momento, entram em cena profissionais que, dotados de capacitação e estudo de anos, se utilizam de componentes mais atualizados para a substituição relativa ou paliativa, para dar uma sobrevida e estes equipamentos. É fato que, em alguns casos, esse procedimento paliativo resulta em adaptações bem feitas - dependendo da mão do técnico - enquanto outras, são verdadeiras obras da gambiarra eletrônica. quando chega a esse ponto, pode ser que o resultado final desejado não seja o esperado, e daí por diante, esse equipamento acaba sendo destinado a negociação ou venda em sites especializados, ou por fim, em encontros dominicais em feiras de negócios informais.

Não obstante, é comum depararmos com negociações bem-sucedidas, onde um comprador adquire um equipamento do determinado problema crônico, mas possui em seu pequeno acervo de peças de reposição, aquela etapa de RF que está danificada em sua nova aquisição, e faz o reparo da etapa que possui em seu estoque pessoal, e obtêm o sucesso esperado. Não demora muito, para que este transceptor ou acessório, volte ao mercado de usados, com a diferença de que estará sendo negociado por um valor acima daquele o qual fora adquirido anteriormente. Por outro lado, também iremos nos deparar com equipamentos que foram tão danificados, ajustados, efetuado reparos sem o mínimo de noções técnicas necessárias, mas que visualmente, apresentam um aspecto de conservação externo aceitavel, que mesmo com a consciência do negociante de que o equipamento ou acessório está com problemas, mas mesmo assim, assume o risco de negociar como equipamento em perfeitas condições de uso, e que se ocorrer o fato ser descoberto o engôdo, vai tentar se desvencilhar de toda a forma, que acabam ocorrendo mal-entendidos ou discussões desnecessárias, o que coloca esse tipo de comércio e negociação, em xeque perante os demais.

Por conta disso, muitos aficionados tem buscado outras formas de adquirir equipamentos e acessórios fora do país, com a certeza de que não terão os problemas decorrentes internamente em seu país. De certa forma, estão corretos nessa observação. E eu explico o porquê.

Em alguns países na Europa e nos EUA, a cultura do uso da radiocomunicação envolve uma notória conscientização do bom uso das frequências e equipamentos, salvo algumas pequenas exceções. E nestes locais, a oferta de componentes de reposição, atualmente, é voltada para o mercado interno. E quando algum equipamento ou acessório apresenta algum defeito ou dano,segue os princípios básicos: ou efetua o reparo, com o componente/peça original, ou fabrica o componente/peça seguindo as características do original, ou  leva o equipamento para o reparo em um representante ou um técnico habilitado, ou simplesmente, destina o equipamento para o descarte. Não existe a mesma cultura que nós possuímos por aqui. Parece estranho, se levarmos em consideração que Radioamadores do passado fabricavam seus componentes, bobinas, indutores dentro de seus Shack's, mas com o avanço da tecnologia ao decorrer das décadas, a industrialização e disponibilidade de equipamentos manufaturados foi tornando essa prática do Homemade, um serviço destinado aos mestres da Velha Escola - e que, atualmente, vêm se tornando algo voltado apenas aos amantes do rádio, e não ao volume exacerbado de "apertadores de botões" atuais. 


Outro fator importante, é que os equipamentos não possuem tanto o índice de longevidade nas linhas de produção. Depois de um certo tempo, projetos bons tendem a ser descontinuados, dando espaço para novos modelos, com novos recursos, que, se pudéssemos analisar mais a fundo, poderiam ser agregados aos tradicionais que estavam em outrora produção. Mas, o conceito de se agregar recursos novos em projetos antigos caiu em desuso - e não é bom para o lucro, afirmam alguns especialistas no assunto, devido as determinadas limitações.ou aceitação no mercado.

Isso implica no fato de que, se o equipamento foi descontinuado, com o passar dos anos, a oferta de suporte e manutenção se tornarão escassas, e as que existirem, tornarão seu reparo/manutenção mais oneroso. 

Portanto, a tendência é que seus preços venham a ser reduzidos no mercado de usados. Isso, me referindo ao mercado lá de fora. É claro, que as exceções se aplicam a uma determinada linha de transmissores que tiveram uma grande repercussão no mundo todo, como por exemplo, determinadas linhas de equipamentos da Collins, Hammarlund e Hearthkit. 


Mas, ao entrarem no Brasil, estes equipamentos acabam adquirindo uma capacidade enorme de valorização, por inúmeros motivos: exclusividade, especulação, excentricidade, dentre outros. Portanto, se o interesse do amigo é tão somente, para seu uso próprio, durante longos anos, sem se preocupar se o equipamento passou nas mãos de algum palitador Made in Brazil, pode ser sim, uma boa opção de aquisição, exceto pelos custos de importação e os altos impostos aplicados por aqui.

Mas, se a opção é adquirir equipamentos de última geração, a sugestão é procurar empresas de importação ou representantes sérios no segmento por aqui, onde possam lhe dar respaldo técnico, além de já providenciarem equipamentos com as Certificações e Homologações junto a ANATEL, para não ter problemas com o bom uso do transceptor. A não ser que já tenha conhecimento suficiente em solicitar esses procedimentos por sua conta própria, aí, é uma questão de se conscientizar com os trâmites burocráticos. Jamais acredite nas promessas de vendedores de sites de compra e venda, que não tenham tradição no segmento, uma vez que irão lhe dizer tudo - e prometer também - mas no final das contas, é bem provável que não terá o suporte do pós venda desejado.

Fica a dica! 73 a todos.