Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

NOTICIAS DO OUTRO LADO DO MUNDO - CRT FRANCE - CRT 2000







Buenas!

A distribuidora francesa CRT divulgou nos últimos dias em seu site, mais um transceptor para agregar ao seu leque de produtos.

Trata-se do CRT 2000, um transceptor Multi-Norma AM/FM (ainda a ser confirmado), um equipamento de dimensões reduzidas e de porte robusto.

O rádio conta com grande display de LCD colorido de fundo negro com inúmeras funções e informações - seguindo um padrão bastante semelhante ao IC-7000, e que sinceramente, agrada muito - seis teclas de funções personalizáveis, além dos botões função master e seletor rotativo.

 PTT segue o padrão Qixiang, de boa ergonomia e empunhadura. O chassi é robusto, compreende toda a área de dissipação, como nos transceptores de VHF.

Dados mais relevantes ainda não foram divulgados, o que nos resta, aguardar seu lançamento em definitivo.

Seria uma prévia da tendência de "radioamadorizar"o design de equipamentos de uso para o Serviço de Rádio do Cidadão no mundo? Seria um desejo de inúmeros a ser realizado, levando-se em conta nos últimos lançamentos que vem esbanjando beleza e simetria. Resta saber, se o desempenho será acima da média, em que alguns equipamentos, em seus princípios de produção, podem apresentar problemas de projeto, que ao longo dos lotes, são devidamente corrigidos.

Agora, é só aguardar.

73 a todos! 


domingo, 31 de janeiro de 2016

SINAIS E SONS ESTRANHOS EM SUA RECEPÇÃO? CALMA... NÃO SÃO ALIENS!






Buenas!

É fato que algumas vezes, enquanto estamos girando o VFO de nessos receptores, nos deparamos com transmissões estranhas, muitas vezes desconhecidas aos nossos ouvidos, e que se torna difícil de identificar, por não possuir um parâmetro de transmissão de estação de amador. Alguns acreditam tratar-se de "portadoras propositais", "estáticas distantes", e coisas do gênero, mas tratam-se de emissões com fundamento de peculiaridades distintas.




Diante dessas dúvidas, e com o intuito de explicar cada tipo de transmissão recebida, encontrei um link muito interessante, que explica cada tipo de emissão desconhecida aos ouvidos de neófitos, ou de experientes Radioescutas. Conhecido como Signal Identification Guide ( ou pelo link - http://www.sigidwiki.com ) é possivel, através de uma listagem bastante explicativa, e com exemplos de gravações de transmissões correspondentes - identificar o significado de cada emissão.

Por exemplo, a conhecida "Motoquinha" (assim chamada, por se assemelhar em determinados momentos, ao som do escapamento de uma motocicleta de dois tempos), bastante conhecida em bandas de 27 MHz, é na verdade a emissão de um Radar de Longo Alcance Terrestre ( ou um OTH), localizado na Rússia, tecnicamente conhecido como 29B6 ou apelidado de "Kontanyer", que emite sinais modulados em FMOP/USB., com uma largura de banda entre 3.5 e 28 KHz.




 Na página, encontraremos outros exemplos de amostras de emissões, algumas bastantes comuns em nosso meio, outras, já obsoletas e sem uso.

Vale a penas dar uma pesquisada acompanhando os links logo abaixo:

http://www.sigidwiki.com/wiki/Database

http://www.sigidwiki.com/wiki/Signal_Identification_Guide


Agradecimentos ao amigo Sergio Ribeiro (Billy), por compartilhar desta informação conosco.

73 a todos, e até a próxima!

sábado, 30 de janeiro de 2016

ANTENA USA "JATO" DE ÁGUA PARA TRANSMITIR DADOS






BUENAS!



A japonesa Mitsubishi desenvolveu um sistema que cria um "chafariz" de água salgada e o transforma em uma antena de rádio, emitindo e recebendo sinais. A tecnologia é projetada para uso no mar ou ao longo de áreas costeiras e, de acordo com a empresa, é a primeira do mundo capaz de receber transmissões digitais terrestres.

Conforme as frequências de rádio ficam mais longas, os sinais se tornam mais fracos. Assim, em alguns locais, as antenas são grandes e caras, demoram para ser construídas e, é claro, não podem ser transportadas.



Como funciona? 
Segundo a empresa, a escolha da água salgada em vez da água doce acontece por causa das propriedades de condução de energia. "Para fins práticos, a água do mar funciona melhor na hora de construir uma antena", revela a Mitsubishi.


Para tirar a ideia do papel, foi necessário determinar a largura do jato necessária para manter a eficiência de transmissão e recepção de dados. A japonesa conta ainda que é necessário utilizar na base da construção uma estrutura de metal. A base de metal, em conjunto com uma bomba, cria o fluxo de água direcionado para cima. O tamanho da antena varia de acordo com a frequência de funcionamento, podendo chegar a dezenas de metros. 



Em testes realizados pela Mitsubishi, a SeaAerial se mostrou capaz de coletar de forma confiável o sinal de TV. Para o usuário, a novidade pode significar a possibilidade de assistir programas na areia da praia, sem usar a conexão com a internet. Para as próximas etapas, a ideia é transferir volumes de dados maiores.

MAS ISSO NÃO É NOVIDADE PARA NÓS!




Há algum tempo atrás,a Marinha dos EUA criou um dispositivo que transforma um jato de água do mar em uma antena improvisada líquido, criando uma poderosa torre de transmissão, de alta freqüência para os navios, situações de emergência e de fácil transporte.


Criado por SPAWAR System Center Pacific, a antena que usa água do mar utiliza as propriedades de indução magnética do sal para fazer a transmissões e recepções de sinais de rádio.